Blackmore’s Night : Beyond the Sunset “The Morning Star”

Encanto e magia, isso sim é energia  e alegria do povo cigano !

Os Dugpas ( Magos Negros)

– Por Helena P.Blavatsky

É impossível adorar ambos os lados – o masculino e o feminino na natureza – Digamos curto e grosso: um ou outro deve predominar. Só seguindo a Unidade absoluta, assexual, pode a senda branca ser trilhada. Conseqüentemente a necessidade da castidade. O oculto e o físico nunca devem ser confundidos. É absolutamente necessário concentrar num ou noutro. A tendência natural é para a Magia Negra, e é por isso que vários anos de treinamento são necessários para extirpar todo tipo de preconceito antes que o poder possa ser confiado. Antes que se possa se tornar um ocultista tem que ser abandonado todo preconceito, toda preferência, todo sentimento de preferência por uma coisa ou outra. O Adepto tem que se separar completamente da sua personalidade. Ele tem que afirmar: Sou Um Poder! É fácil cair na Magia Negra. Um mago negro pode causar dano sem sequer considerar que irá prejudicar os outros. Ele é essencialmente egoísta, porque ele trabalha por uma coisa que ele ama pessoalmente. Desinteresse aparente pode ser realmente egoísmo. Uma ação de bondade feita com parcialidade pode tornar-se maléfica, ou seja, incitando animosidade nas mentes alheias. É necessário, ao se agir, perder todo o senso de identidade e se tornar um poder abstrato. Há o bem e o mal em todos os pontos do universo, e se a pessoa trabalhar indiretamente para sua própria parcialidade, esta pessoa se torna um mago negro. O oposto da Justiça é a parcialidade. Quando um homem usa os poderes da Natureza indiscriminadamente, com parcialidade, e sem consideração pela justiça, isto é Magia Negra. Contudo, ajudar uma pessoa doente não é nenhuma Magia Negra, mas nenhuma preferência pessoal o deve guiar. Como o curandeirismo, os atos de magia negra demandam certo conhecimento. Magia é poder sobre as forças da natureza, assim, um Exército da Salvação hipnotizando as pessoas e os embriagando psiquicamente com a excitação é um tipo de Magia Negra. Bismarck e Beaconsfield são tipos de magos negros.
Nos planos astral e psíquicos os Mestres são sempre mais fortes que o Dugpas, porque lá o bem é mais forte que o mal. Mas em nosso plano material, o mal é mais forte que o bem, e os Adeptos que têm que agir neste plano (que está em oposição às suas naturezas) encontram grande dificuldade e podem apenas minimizar os efeitos maus. Em relação aos poderes, no negativo há uma ausência do bem, menos que presença do mal, e quanto mais alto você vai, tanto mais o mal se torna a ausência do bem. O primeiro exercício da Condição de Dugpa [Dugpaship] é a de “psicologizar” as pessoas. Todo homem tem um Dugpa potencial em si. Quando a sexta Raça [a raça intuicional] alcançar seu fim, não haverá mais nenhum Dugpa. Um Dugpa pode ser convertido durante sua vida, mas às custas de terrível sofrimento e várias tentativas. Os Dugpas normalmente são destruídos pela Kundalini, o fogo astral. Eles se consomem. O Dugpa é forçado à sua própria destruição. Ele se fascina, e colide com a corrente maléfica e assim se destrói. Os bestais Dugpas nada mais tem que o animalesco em si, e até mesmo quando eles despertam a espiritualidade mais elevada, é a espiritualidade da besta neles onde nada mais há que instinto vil e egoísta. Sobre a Terra não há nenhum poder mau mais elevado do que o dos Dugpas. Eles não podem, quando vistos psiquicamente, esconder a presença de vermelho sobre eles. A cor é sempre visível em suas auras. A cor é profundamente de um vermelho carmesim. O sinal da presença de um Dugpa é de um frio úmido, vazio, um sentimento repulsivo.